2012: MOMENTOS TURBULENTOS MARCARAM O ANO




“Lula voltou!!!” – Para a história política do Município a expressão que até hoje é lembrada seja como chacota, seja de forma que todos preferimos esquecer quando se ouve queimas de fogos de artifícios em algum canto da cidade, marcou os momentos de intranquilidade vividos por todos os araripinenses no ano de 2012.

udo começou em 12 de dezembro de 2011 quando o prefeito Luiz Wilson Ulisses Sampaio, ou simplesmente Lula Sampaio, foi afastado do cargo de prefeito pelo TJPE por improbidade administrativa. O afastamento de 180 dias se deu após uma liminar proferida à época pelo então Juiz da Comarca de Araripina, João Ricardo. 



O vice-prefeito Alexandre José Alencar Arraes – Alexandre Arraes, tomava posse como interino e daí por diante a instabilidade política municipal que desde sua emancipação em 1928 não acontecia, tomava um novo rumo, já que especulações davam conta de que um golpe bem planejado do governo do Estado, arquitetado pelo então governador Eduardo Campos e o Palácio do Campo das Princesas, especificamente pelos seus fiéis e súditos  soldados, tinha o desejo de iniciar um novo ciclo político com os Arraes no comando, como de fato aconteceu, mas que em verdade não reverbera os fatos sem as suas devidas comprovações que ficam apenas no campo hipotético, deixando evidente que na gestão pós-trauma a justiça de Pernambuco não foi tão célere e obstinada quanto foi com a gestão Sampaio. Fato.

Já vislumbrando uma candidatura para prefeito em 2012, com apoio incondicional do governo do estado, Alexandre Arraes assume o governo municipal interinamente no dia 13 de dezembro de 2011 e segue até o dia 18 de junho quando o prazo termina dos seis meses de afastamento do prefeito Lula Sampaio (PTB) que retorna ao cargo no dia 19 de junho de 2012, por decisão do então presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco, o Desembargador Jovaldo Nunes Gomes. A sentença de Gomes suspendeu a prorrogação do período de afastamento.


Sampaio nem esquentou novamente a cadeira da prefeitura e pouco mais de um mês depois, dia 23 de julho de 2012, a Corte Especial do Tribunal de Justiça de Pernambuco, aceitando recurso do Ministério Público cassou a liminar que o colocou novamente no comando do Município. Era o início da volta, do sai e do entra, da queima de fogos de artifícios dos militantes de Lula Sampaio (PTB) e Alexandre Arraes (PSB). A instabilidade realmente havia se instalado com força no Município o que gerava problemas da ordem social e comercial já que não se sabia ao certo a que caminhos a não ser incertos, essa desordem levava.

Alexandre Arraes é empossado novamente prefeito 

Novamente, pela segunda vez, assumia a prefeitura no dia 25 de julho de 2012, Alexandre Arraes, e a Câmara Municipal, presidida pelo então Vereador José Reginaldo (Zé Bolacha), era o palco das posses que se alternavam entre o prefeito e o interino e que lotava com as militâncias políticas sempre que alguns deles retornavam ao comando da prefeitura.

A população estava em polvorosa com as mudanças repentinas, a instabilidade política e as divergências que acaloravam ainda mais os ânimos dos araripinenses. Dia 31 de julho, Outra decisão agora do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acata recurso de Lula Sampaio e o reconduz de volta ao cargo. A decisão foi assinada pelo Ministro Ari Pargendler, então presidente do STJ. Em 20 de agosto outra decisão agora do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) acatando pedidos do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e do Tribunal de Contas do Estado (TCE) por supostas irregularidades afasta novamente Sampaio do cargo. Dias antes o mesmo TCE recomendava intervenção na prefeitura.


O Interventor Tenente-Coronel Adalberto de Freitas Ferreira

Dia 10 de setembro – O TJPE aprova intervenção em Araripina e o governador Eduardo Campos (in memoriam) escolhe o Tenente-Coronel Adalberto Freitas Ferreira que assumiu a prefeitura no dia 14 de setembro permanecendo no cargo até o dia 31 de dezembro de 2012.

As três fases – Prefeito Eleito, Interino e Intervenção – pela qual passou o Município de Araripina e criou uma instabilidade que gerou expectativas com a eleição de 2012 que tinha de um lado, Alexandre Arraes (PSB) apoiado por parte dos dissidentes de Lula Sampaio e com aval do Governador do Estado, e do outro, a neófita na política Socorro Pimentel (PSL) que atraiu parte do eleitorado de Sampaio, mas que enfrentava a máquina do Estado e tinha poucas chances de vencer Arraes. Deu o esperado e iniciava uma nova etapa administrativa em Araripina depois de uma série de acontecimentos que moldou um sentimento político de que terminava uma era política no Município e começava outra com muitas expectativas, já que o novo governo que iniciava sua gestão em 2013 tinha todos os ingredientes positivos a seu favor para transformar a Princesa do Sertão na tão desejada e esperançosa cidade de desenvolvimento e progresso, a menina do ouro branco, a terra que tem o  título de melhor e maior cidade do Sertão do Araripe.

A nossa história continua com outras histórias de nossa querida Araripina.

Postar um comentário

0 Comentários